SUMMER SUNDAY

DE JOSEPH HOROVITZ

MARIO LAGINHA TRIO
JOANA SEARA | SOPRANO
MARCO ALVES DOS SANTOS | TENOR
HUGO OLIVEIRA | BARÍTONO
CORO ALLEGRO
CORO INFANTIL VOCCI
BERNARDO MOREIRA | CONTRABAIXO
MANUEL LÍBANO MONTEIRO | DIREÇÃO
MIGUEL MATOS | CONCEÇÃO VÍDEO
CARLOS ANTUNES | ENCENAÇÃO

SUMMER SUNDAY

Image
Image

28 DE SETEMBRO 2019 – 18H00

CENTRO CULTURAL OLGA CADAVAL

A defesa do ambiente e do bem-estar do meio rural, em tom divertido é a proposta musical da Pastoral cómica-trágica-ecológica, de Joseph Horovitz, “Summer Sunday”, semi-encenada, dirigida a todas as idades, para as famílias, para coro, solistas e piano.

Mário Laginha e o seu Trio abrem a primeira parte e Mario Laginha será o pianista de Summer Sunday, que conta ainda com o Coro Allegro (Sintra) e o coro infantil Voci (Sintra) e com os solistas Joana Seara, soprano, Marco Alves dos Santos, tenor e Hugo Oliveira, barítono.

O espetáculo tem conceção vídeo de Miguel Matos, encenação de Carlos Antunes e direção de Manuel Líbano Monteiro.

 

MARIO LAGINHA TRIO
MÁRIO LAGINHA | PIANO
BERNARDO MOREIRA | CONTRABAIXO
ALEXANDRE FRAZÃO | BATERIA


JOANA SEARA 
| SOPRANO
MARCO ALVES DOS SANTOS | TENOR
HUGO OLIVEIRA | BARÍTONO
CORAL ALLEGRO
CORO INFANTIL SINTRA VOCI
BERNARDO MOREIRA | CONTRABAIXO
MANUEL LÍBANO MONTEIRO | DIREÇÃO
MIGUEL MATOS | CONCEÇÃO VIDEO
CARLOS ANTUNES | ENCENAÇÃO
 

MÁRIO LAGINHA

Mário Laginha não é o homem dos sete instrumentos, porque o seu instrumento é o piano, mas o pianista gosta de navegar pelos muitos mundos sonoros que fazem o planeta música. Basta espreitar para os discos que gravou com a cantora Maria João, marcados pela linguagem do jazz, mas por onde perpassam influências que vão desde a música portuguesa e a clássica (sobretudo no disco a solo “Canções e Fugas”), até à pop anglo-saxónica ou às músicas brasileira e africana, para percebermos que estamos perante um músico que não gosta de ser catalogado em categorias estanques.  No trio que mantém com o contrabaixista Bernardo Moreira e o baterista Alexandre Frazão, com quem gravou até agora dois discos, Mário Laginha mantém esse gosto pela mistura, pela diversidade e pelo risco. No caso de “Espaço” (2007), o ponto de partida foram conceitos mais ou menos abstratos relacionados com a arquitetura, que serviram para criar um conjunto de temas com designações próximas da linguagem dos arquitetos e urbanistas – “Tanto espaço”, “Escada”, “Plano”, “Vazio urbano” -, de que resultou um disco imediatamente classificado pela crítica da especialidade como do melhor jazz alguma vez feito entre nós.  No segundo disco do Mário Laginha Trio, “Mongrel” (2010), o pianista levou ainda mais longe o desafio e o risco. O pretexto para o disco, nascido de uma encomenda do São Luiz Teatro Municipal e da Orquestra Metropolitana de Lisboa, foram obras de Fréderic Chopin, uma empreitada arriscada que Laginha agarrou com uma mistura de respeito pelo grande músico polaco e de liberdade para infringir compassos, tempos e melodias, operando com isso uma transfiguração das obras originais, que passaram a ser temas que se encaixam indiscutivelmente no mundo criativo de Mário Laginha. Está marcada para breve a edição do terceiro trabalho discográfico do Trio.

JOANA SEARA

Em ópera, Joana tem interpretado inúmeros papéis de Monteverdi a Puccini, de Verdi a Francisco António de Almeyda. Destacam-se as suas interpretações de Margery (em The Dragon of Wantley) com a Akademie für Alte Musik Berlin no Festival de Potsdam, Damigella (em Coronation of Poppea) para a English National Opera, Gretel (em Hänsel und Gretel) para Opera Holland Park e Glyndebourne (cover), Dorinda (em Orlando), Zerlina (em Don Giovanni), Despina (em Così fan tutte) na Holanda, Inglaterra e Irlanda, e Galatea (Acis and Galatea) em França. No Teatro Nacional de São Carlos, foi Susanna (em Le nozze di Figaro), Frasquita (Carmen), Tebaldo/Voce dal Cielo (em Don Carlo), Flora (em La Traviata) e Ines (em Il Trovatore). Mais recentemente, apresentou-se como Suor Angelica em St James’s Piccaddily Londres, como artista de Opera Unlimited.

Joana trabalha regularmente nas produções dos Músicos do Tejo (dir Marcos Magalhães). Foi Belinda (em Dido e Eneias), Nerina (em Il Trionfo d’Amore), Vanetta (em Il Frate N’namorato) e Vespina (em La Spinalba). Também com este grupo, lançou dois projetos discográficos: La Spinalba (Naxos) e As Árias de Luísa Todi.

Outra discografia incui 18th-Century Portuguese Love Songs (Hyperion) com L’Avventura London.

Joana tem-se apresentado na interpretação de grandes obras de oratória nos mais importantes palcos portugueses, destacando-se os grandes auditórios do CCB, da Gulbenkian e na Igreja de São Roque. Das obras interpretadas, destacam-se as Cantatas n.º 127 e 140 de Bach (dir. Ton Koopman), Jeanne d’Arc au bûcher de Honegger (dir. Simone Young), a Paixão seg. São João com os King’s Consort (dir. Mathew Halls), a Paixão seg. São Mateus com a Orquestra Barroca Divino Sospiro (dir. Enrico Onofri) e O Messias com a Orquestra Metropolitana (dir. Nicholas Kraemer) e com a Orquestra do Norte (dir. Jorge Matta). Também com a Orquestra Barroca Divino Sospiro (dir. Enrico Onofri e Massimo Mazzeo), actuou nos festivais de Ile de France, Ambronay, Mafra e Varna. Com os Músicos do Tejo, apresentou-se nos Festivais de Alcobaça, Mafra e em Goa, Índia.

Joana estudou na Guildhall School of Music and Drama, em Londres, como bolseira da Fundação Gulbenkian.

CoralAllegro.jpg
Image
MANUEL LÍBANO MONTEIRO
Image
MARCO ALVES DOS SANTOS
Image
MARIO LAGINHA TRIO
Image
HUGO OLIVEIRA