QUINTETO JILL LAWSON
…Lembrando Olga Prats

28 DE SETEMBRO 2022 - 21H00

Sociedade Filarmónica Boa União Montelavarense

29 DE SETEMBRO 2022 - 21H00

Sociedade Filarmónica União Assaforense

Martín Sued, bandoneon
Vanessa Lima, contrabaixo
Manuel Ferrer, violino
João Carreiro, guitarra elétrica
Jill Lawson, piano
 

Homenagem a Olga Prats
Olga Prats deixou-nos no ano passado, mas continua presente na memória do Festival de Sintra onde foi presença frequente. Foi a primeira pianista a tocar e a gravar a música do argentino Astor Piazzolla em Portugal ou a divulgar o fado ao piano, de Alexandre Rey Colaço a Eduardo Burnay. O programa deste concerto evoca esse seu lado inovador através de uma recriação do Quinteto Novo Tango de Piazzolla liderado por Jill Lawson, uma das mais talentosas pianistas da nova geração em Portugal.

PROGRAMA

 

Astor Piazzolla (1921-92)
‘Concerto para Quinteto’: I – II - III
Suite Tangata ‘Silfo y Ondina’: Fugata - Soledad - Final
‘La muerte del angel’
‘Outono Porteño’
(todas para quinteto

Radamés Gnattali (1906-88)
‘Uma rosa para Pixinguinha’, para violino e piano1
‘Ária’ (da ‘Suite Antiga’), para violino e piano1

 Heitor Villa-Lobos (1887-1959)
‘Ária (Cantilena)’ da ‘Bachianas n.º 5’, versão para contrabaixo e piano2
‘Melodia sentimental’, da cantata ‘Floresta do Amazonas’, para violino e contrabaixo3 

Fernando Lopes-Graça (1906-94)
‘Mornas cabo-verdianas’ e ‘Bagatelas’, para piano solo 

César Guerra Peixe (1914-93)
‘Mourão’, para violino e contrabaixo3 

Martín Sued
Arranjo de fado de Amália para bandoneon 

João Carreiro
improvisação sobre um tema de MPB

  

1 – gentilmente cedidas por Roberto Gnattali, sobrinho do compositor, e pelo pianista Luiz Rabello
2 – gentilmente cedida pelo contrabaixista Catalin Rotaru
3 – gentilmente cedidas pelo contrabaixista Gustavo Fontes, autor das transcrições

Jill Lawson, piano

 

Jill Lawson, pianista de nacionalidade luso-americana, nasceu no México em 1974 e cresceu na Bélgica, residindo atualmente em Portugal.
Entre os numerosos prémios e distinções que obteve em competições nacionais e internacionais, destacam-se o 2o prémio no concurso internacional de piano “Vianna da Motta”, finalista da “Classical Fellowship Awards” da American Pianists Association e o 4o prémio no “Concurso Internacional Schubert” em Dortmund.
Como solista, deu recitais e tocou com inúmeras orquestras de renome na Europa, América e Ásia, mantendo simultaneamente uma atividade no domínio da música de câmara. Juntamente com seu irmão Eliot, violinista, forma o Duo Lawson e toca com regularidade com o violonista Carlos Damas e faz parte do Quarteto de Piano de Moscovo. Trabalha ainda com diversos cantores.
É docente na Escola Superior de Artes Aplicadas em Castelo Branco, e coordenadora da classe de Piano na Escola de Música do Colégio Moderno em Lisboa.
Jill iniciou os seus estudos de piano aos 8 anos de idade em Antuérpia, tendo sucessivamente obtido as mais elevadas classificações e distinções em prestigiadas escolas como o Conservatório Real de Antuérpia, a Chapelle Musicale Reine Elisabeth em Bruxelas e o Conservatório de Amsterdão, onde estudou com Jan Wijn. No Peabody Institute, em Baltimore (EUA), onde recebeu aulas de Leon Fleisher e Ellen Mack, obteve o Diploma de Pós-Graduação em Piano, em 2000, e o Mestrado em Música de Câmara, em 2004.
Fez vários cursos de aperfeiçoamento com Dimitri Bashkirov, Gyorgy Sebok, Maria Tipo e Maria João Pires, entre outros. Colaborou no documentário, que se realizou em 2001 durante um workshop de Maria João Pires em Belgais.
Gravou os Estudos Sinfónicos Opus 13 de Schumann para a Fundação Internacional de Vianna da Motta, a obra completa da música de câmara de António Fragoso e de Frederico de Freitas assim como as Sonatas de Hindemith para violino e piano, para a editora BrilliantClassics , o álbum Contos do Feiticeiro com obra de Pedro Teixeira da Silva, distribuído pela SonyPortugal. Em 2020 saiu uma gravação com música de câmara de Joly Braga Santos pela editora MusicaNumeris.

Martín Sued, bandoneone

 

Martín Sued é bandoneonista, compositor e arranjador.
Suas composições têm um caráter lúdico, sensível e poderoso, com uma personalidade que manifesta-se tanto na sutileza harmônica quanto na força rítmica. E neles podem ser encontradas uma infinidade de referências como o jazz, a música contemporânea e até o rock, sempre mantendo um vínculo forte e claro com a música tradicional argentina.
Em 2018 lançou seu primeiro álbum de bandoneon solo, "Iralidad", que apresentou nos Estados Unidos, Alemanha, França, Portugal, Holanda, Brasil, Paraguai e Argentina.
Atualmente reside em Portugal onde lidera o sexteto "Martin Sued & Orquestra Asintomática". Junto com Luis Guerreiro, forma o trio "Encontro Iberoamericano", liderado por Yamandú Costa, com quem lançou recentemente o álbum "Caminantes" (2021). Faz ainda dueto com Bernardo Couto (guitarra portuguesa) e "Jangada de Pedra", a par de Marco Santos.
Na Argentina, de 2007 à atualidade, lidera o quinteto "Tatadios", com o qual gravou os discos "Crecida" (2009), "Panal" (2013) e "Insistir" (2020) apresentados em diferentes palcos na Europa e América Latina.
Colaborou em concertos e gravações com artistas como Pablo Ziegler, Daniel Binelli, Guillermo Klein, Diego Schissi, Quique Sinesi, Magic Malik, Jairo, Liliana Herrero, Gilberto Gil e António Zambujo, entre muitos outros.
Participou como solista em concertos de Música de Cámara, tocando suas próprias composições e música de Astor Piazolla, com diferentes orquestras e conjuntos da Europa e da América Latina, como Orchester de Chambre de Geneve (Suíça), Orquestra da ULBRA (Brasil), Camerata Atlántica (Portugal), Orquesta Juvenil Municipal de San Martín (Argentina) e Ensamble SurdelSur (Argentina), entre outros.
Como professor ministrou seminários sobre bandoneon, composição e música argentina em instituições como Codarts (Rotterdam, Holanda),          Royal Academy of Music (Aarhus, Dinamarca), UNICAMP (Campinas, Brasil), UNILA (Foz de Iguaçu, Brasil), "Sense of Quiet Music Lab" (Japão), entre outros.

Vanessa Lima, contrabaixo

 

Vanessa Lima, iniciou os seus estudos musicais aos 12 anos, na classe de contrabaixo do Professor Alexandre Samardjiev, na ARTAVE. Em 2014, terminou a licenciatura na Escola Superior de Música de Lisboa, na classe do Professor Manuel Rê go. De 2014 a 2017 frequentou um curso de aperfeiç oamento instrumental na Escuela Superior de Música Reina Sofia, em Madrid, na classe dos professores Duncan Mctier e António García Araque. Foi bolseira da Fundación Albeniz (Espanha) e GDA (Portugal).
Colaborou com várias orquestras como a Royal Scottish National Orchestra, Orquestra Sinfónica do Porto Casa da Música, Orquestra de Câmara Cascais e Oeiras, Orquestra de Câmara Portuguesa e Orquestra Gulbenkian, tendo trabalhado com vários maestros, entre os quais: Pedro Neves, David Afkham, Lawrence Foster, Krzysztof Urbanski, Pablo Heras Casado, Plácido Domingo, Juanjo Mena, Christoph Eschenbach, Lorenzo Viotti, Michael Sanderling, Vasily Petrenko, Giandrea Nnoseda, Manfred Honeck, entre outros.
Teve, ainda, a oportunidade de ingressar em orquestras jovens como Young Franco-German Philharmonics (Alemanha-2013), World Peace Orchestra (Nova Iorque – 2013), Mediterranean Youth Orchestra (Franç a-2016), Schleswig-Holstein Musik Festival (Alemanha-2017) e European Union Youth Orchestra (2018).
Atualmente é professora de contrabaixo na Escola Artística de Música do Conservatório Nacional.

Manuel De Almeida Ferrer, violino

 

Jovem violinista proveniente de Lisboa, atuou em diversos palcos em países como a Áustria, a Finlândia, a Dinamarca, a Alemanha e a China.
Estreou-se como solista aos 12 anos de idade com a Orquestra Gulbenkian dirigida por Michael Zilm. Desde então, tem-se apresentado tanto como solista como músico de câmara, ao lado de músicos como Kyril Zlotnikov, Karen Gomyo, o Hermes Ensemble, Tony Nys e Piotr Anderszewski, assim como com orquestras como a Orquestra Sinfónica Portuguesa e a Clássica do Centro. É premiado em vários concursos em Portugal, na Bélgica e no Reino Unido.
Manuel começou os seus estudos musicais com Marilyn Brito, prosseguindo-os em 2005 com Gareguin Aroutiounian. Entre 2014 e 2021, estudou com Alissa Margulis, Jack Liebeck e Ilya Grubert no Conservatório de Antuérpia, na Royal Academy of Music e no Conservatório de Amesterdão. É o atual violinista do Trio Jakob, um trio com piano sedeado na Holanda e premiado em concursos em Espanha, Andorra, Itália e França.

João Carreiro, guitarra elétrica

 

Nascido em Lisboa, começou por estudar guitarra clássica no Conservatório Regional Silva Marques. Estudou no Hot Clube de Portugal e na Escola Superior de Música de Lisboa, onde se licenciou em Guitarra Jazz. O seu percurso tem sido entre o jazz e a música improvisada, e tem vindo a colaborar com músicos como Albert Cirera, André Carvalho, André Matos, Carlos Bica, Demian Cabaud, Gonçalo Marques, Hugo Antunes, João Lencastre, João Lopes Pereira, João Fragoso, Leonor Arnaut, Luís Vicente, Paula Sousa, Samuel Gapp, Yedo Gibson, Vasco Furtado. Faz parte do corpo docente da Escola de Jazz Luís Villas-Boas do Hot Clube de Portugal e é membro fundador da associação Robalo Music.