ORQUESTRA FILARMÓNICA PORTUGUESA


SOYOUNG YOON


VIOLINO


OSVALDO FERREIRA 
| MAESTRO

ORQUESTRA FILARMÓNICA PORTUGUESA

Image

21 DE SETEMBRO 2019 – 21H30

CENTRO CULTURAL OLGA CADAVAL

Enormously talented, with a terrific temperament and a bouncy effervescent quality
“The Strad” 

Soyoung Yoon é uma estrela brilhante do mundo musical, cuja ascensão imparável se deve ao seu enorme talento e energia contagiante. Com a Orquestra Filarmónica Portuguesa, sob a direção musical de Osvaldo Ferreira, traz-nos o vibrante e lírico concerto para violino de Mendelsshon, um dos ícones do romantismo musical.

SOYOUNG YOON | VIOLINO

ORQUESTRA FILARMÓNICA PORTUGUESA

OSVALDO FERREIRA
| MAESTRO


PROGRAMA

FELIX MENDELSSOHN (1809-1847) – Concerto para violino n°1 em Mi menor, Op. 64

I. Allegro molto appassionato
II. Andante
III. Allegretto non troppo – Allegro molto vivace

JOHANNES BRAHMS (1833-1897) – Sinfonia nº 3 em Fá maior, Op. 90

I. Allegro com brio
II. Andante
III. Poco alllegretto 
IV. Allegro
 

ORQUESTRA FILARMÓNICA PORTUGUESA

Fundada em maio de 2016 por Osvaldo Ferreira e Augusto Trindade, a Orquestra Filarmónica Portuguesa (OFP) rapidamente captou a atenção do meio musical e artístico português, sendo já amplamente reconhecida, pelo público e pela crítica, como uma das melhores orquestras sinfónicas nacionais. O elevado padrão de exigência impresso desde a sua génese, levam-na a integrar um conjunto de músicos de elevado nível técnico e artístico, sejam instrumentistas premiados em concursos nacionais e internacionais, ex-integrantes da Orquestra Jovem da União Europeia e músicos estrangeiros residentes em Portugal. Ao juntarem-se a este projeto diferenciador e inovador, estes músicos contribuíram para a criação de uma orquestra que é já, hoje, uma referência e um símbolo de qualidade.

A Orquestra Filarmónica Portuguesa produz concertos sinfónicos, ópera e promove ligações a outros géneros artísticos, numa procura constante do desenvolvimento de eventos e espetáculos diferenciadores e únicos, construindo, desta forma, a reputação de ser uma orquestra ímpar no panorama musical português, pela sua versatilidade, ecletismo e visão de futuro.

Tem sido presença assídua nas principais salas de espetáculo e festivais portugueses, contando com a participação de prestigiados solistas internacionais, de entre os quais se destacam Eldbjørg Hemsing, Kristina Miller, Mayuko Kamio, Miroslav Kultyshev, Pavel Gomziakov, Ray Chen, Soyoung Yoon ou Yang Liu. Paralelamente, tem vindo a apostar em talentosos intérpretes portugueses tais como Ana Beatriz Ferreira, Cristiana Oliveira, Horácio Ferreira, Luísa Tender, Raúl da Costa ou Vasco Dantas.

A Orquestra Filarmónica Portuguesa conta com a direção artística do maestro Osvaldo Ferreira, um dos mais representativos maestros nacionais da atualidade.

OSVALDO FERREIRA

Na qualidade de diretor convidado, Osvaldo Ferreira apresentou-se, recentemente, com a Orquestra de São Petersburgo, na Rússia, a Orquestra do Luxemburgo, a Orquestra Gulbenkian, em Lisboa, a Orquestra Sinfónica de Nuremberga e a Bühnen-Halle, na Alemanha e a Orquestra Sinfónica da Venezuela, entre outras.

Osvaldo Ferreira é o diretor artístico da Orquestra Filarmónica Portuguesa e da Sociedade de Concertos de Brasília. Foi o diretor musical e maestro titular da Orquestra Sinfónica do Paraná (2011 a 2014) e diretor da Oficina de Música de Curitiba. Em Portugal, foi diretor artístico da Orquestra do Algarve e do Festival Internacional de Música do Algarve e diretor e administrador do Teatro Municipal de Faro. Gravou vários CD's com obras de autores portugueses para a editora Numérica e um CD duplo com sinfonias de Mozart. Com a Orquestra do Algarve, apresentou-se em Viena, Bruxelas, Lisboa, Sevilha, Porto, Curitiba e Londres.

O seu percurso inclui mais de 700 concertos, cerca de 70 apresentações de ópera e bailado e ainda a direção integral das Missas e do Requiem de Mozart. A ligação à música contemporânea é um dos aspetos mais importantes do seu trabalho, destacando-se a apresentação de estreias e primeiras audições de obras de alguns dos mais importantes compositores da atualidade, tais como, K. Penderecki, L. Auerbach, Jean-Luc Ponty, B. Sassetti, H. Rosenschoon, ou G. Ligeti, entre muitos outros.

No seu percurso destaca-se ainda o seu trabalho à frente de importantes orquestras: Filarmónica de São Petersburgo, Sinfónica de Roma, Orquestra Gulbenkian, Sinfónica Brasileira, Orquestra de Praga, Filarmónica de Lodz, Filarmónica da Silésia, Sinfónica de Nuremberga, Filarmónica da Rádio Renana, Orquestra Nacional do Porto, Orquestra do Teatro Nacional de São Carlos, Orquestra do Teatro Olímpico de Vicenza, Orquestra da Catalunha, North Shore Orchestra (Chicago), Orquestra do Festival de Música de Aspen (E.U.A.) e Orquestra Nacional da Venezuela, entre outras.

Realizou um mestrado em direção de orquestra em Chicago e uma pós-graduação no Conservatório de São Petersburgo, na classe de Ilya Mussin. Foi laureado em 1999 no Concurso Sergei Prokofiev, na Rússia. Recebeu o “Fellowship” do Festival de Música de Aspen, onde frequentou a American Conductors Academy. Foi assistente do maestro Claudio Abbado em Salzburg e Berlin. Estudou ainda com Jorma Panula e David Zinman, foi bolseiro do Ministério da Cultura de Portugal e da Fundação Calouste Gulbenkian.

SOYOUNG YOON

A violinista Soyoung Yoon tem vindo a ser aclamada pelas suas atuações “meticulosas… altamente disciplinadas” (Gramofone) e “suaves”, cuja “perfeição técnica… é sempre colocada ao serviço da música” (The Guardian). Vencedora de variados prémios em grandes competições internacionais, incluindo os concursos Yehudi Menuhin (1.º prémio), Henryk Wieniawski (1.º prémio) e Indianapolis (medalha de prata), Soyoung conquistou o respeito dos seus pares não apenas enquanto violinista solista, mas também como membro de agrupamentos de câmara.

Soyoung é cada vez mais requisitada pelas principais salas à escala mundial, tendo atuado como solista com várias orquestras, incluindo a Deutsche Kammerphilharmonie Bremen, NDR Elbphilharmonie Orchestra, Orquestra Nacional Russa, Royal Philharmonic Orchestra, Orquestra de Câmara de Genebra, Orquestra Nacional Belga, Orquestra Sinfónica da Rádio Nacional Polaca, Orquestra Sinfónica de Berna, Orquestra Sinfónica de Trondheim, Solistas de Trondheim e Orquestra de Câmara de Zurique. Destaques recentes e futuros incluem apresentações no Carnegie Hall e no Berlin Konzerthaus, bem como concertos com a Sinfónica de Singapura e uma turnê pela Alemanha com a Filarmónica de Praga. A sua lista crescente de colaborações inclui Krzyszstof Penderecki, Ivor Bolton, Krzysztof Urbanski, Muhai Tang, Maxim Vengerov e Michal Nesterowicz.

Soyoung tem colaborado frequentemente com a Orquestra de Câmara da Coreia, tendo gravado “Four Seasons” de Piazolla e o Concerto para Violino e Piano de Mendelssohn-Bartholdy, percorrendo a Ásia, a Europa e a América do Norte durante o processo. Fundou o ORION String Trio em 2012, em conjunto com Veit Hertenstein e Benjamin Gregor-Smith, tendo sido vencedores do primeiro prémio e do prémio do público no Concurso de Música de Câmara “Migros Kulturprozent” de 2016 em Zurique. Durante esta temporada levará o trio ao Wigmore Hall de Londres, Zurique Tonhalle, Estugarda, Edimburgo, Belfast e Manchester.

Baseada entre Basileia e Seul, Soyoung estudou na Universidade Nacional de Artes da Coreia do Sul, com Zakhar Bron na Universidade de Música e Dança de Colónia, e na Universidade de Artes de Zurique.

Toca habitualmente no violino J. B. Guadagnini (ex-Bückeburg) feito em Turim em 1773.