Sob o signo do Reencontro

A realização do 55º Festival de Sintra, sob o signo do “Reencontro”, adquire um particular simbolismo e significado.

Não apenas pelo contexto em que vivemos, que tanto fez vacilar as nossas certezas e aquilo que dávamos por adquirido, obrigando a confrontar-nos, olhos nos olhos, com a imensidão da nossa pequenez e com o gigantismo das nossas vulnerabilidades.

Não apenas por representar também um convite para uma reconciliação imprescindível com os valores fundamentais da cultura e das artes e da importância do seu consumo presencial, de forma espontânea, sem filtros e com espaço para a interação, vivida em comunhão com os outros e com o património.

Esta realidade justifica amplamente que a Câmara Municipal de Sintra ciente da relevância dos valores culturais como catalisadores da renovação social, económica e espiritual, apresente uma das mais significativas edições do Festival, de enorme qualidade e heterogeneidade artística sob a excelente e superior coordenação da Dra. Gabriela Canavilhas.

O Festival de Sintra abre portas a um Reencontro com a Arte e com aqueles que a fazem, com a sua apresentação a ocorrer em espaços de eleição próprios do magnifico património de que também se faz Sintra e de cujo reconhecimento pela UNESCO comemorámos 25 anos. Um património que vale tanto pelo que é como pelo que se faz dele e com a oportunidade de ser palco para diálogos estéticos com outras expressões artísticas a convidar a renovados olhares.

O titulo desta edição do Festival de Sintra 2021 – O Reencontro - Música, Bailado e Património é uma mensagem clara de crença numa nova Era, de acreditarmos na cultura como fator de reconstrução humana e de união entre os povos. 

Há um Reencontro que adquire especial relevância, representado pelo regresso, 20 anos depois, do bailado a Seteais, esse palco natural e único onde se realizaram espetáculos que foram um verdadeiro ex-libris para a vocação cultural de Sintra, mas que foram também para quem lá dançou e para todos quantos puderam fruir dessas expressões maiores da Arte.

O programa de que esta edição se faz, exalta uma vez mais os padrões elevados da Cultura e a generosidade daqueles que os trazem até nós, como seus genuínos embaixadores. Agora cabe-nos a responsabilidade de concorrer para uma fruição tão abrangente quanto possível, o que explica as recorrentes apostas na descentralização, levando os concertos para outras geografias do nosso Concelho e procurando garantir o envolvimento das diferentes comunidades. Ao mesmo tempo investimos na educação pela arte, com o programa “Ópera nas escolas” e as sessões de bailado para os mais novos a dar bom testemunho desse propósito essencial para a elevação do nível cultural e para a tão preconizada formação de público.

Para sermos muitos, para sermos mais, a querer e a poder usufruir deste nosso Festival.

Porque a vida é feita de Encontros e Reencontros. E este é o momento de voltarmos a reencontrar-nos com a nossa essência, com o que é nosso, com a Música, o Bailado e o Património.

Este é, sobretudo, o momento de nos reencontramos connosco próprios e uns com os outros.

Que a alegria, a emoção e a criatividade desta 55ª edição do Festival de Sintra contribua para o nosso reencontro com a normalidade.

Sejam bem-vindos.

 

Basílio Horta,
Presidente da Câmara Municipal de Sintra

Porque a Arte celebra a Vida

“…a arte existe porque a vida não basta” …, escreveu Fernando Pessoa. Esta frase, amplamente divulgada pelo poeta brasileiro Ferreira Gullar, faz ainda mais sentido neste período de restrições ao convívio e à socialização que atravessámos. Na web, foi com a arte, com a música, com a criatividade, o humor e a imaginação que milhões de pessoas responderam à pandemia de 2019/2021, dando asas ao pensamento e ao espírito, porque, na verdade, não se pode viver sem os instrumentos que exprimem o pensamento com o filtro da estética e da construção simbólica.

Mas a cultura alimenta-se sobretudo pelo contacto direto, pela fruição ao vivo, pela sonoridade táctil da experiência vivenciada. Assim, apesar das circunstâncias instáveis criadas pela crise sanitária que afeta o país e o mundo, a realização do Festival de Sintra em 2021 simboliza a valorização da Cultura no território de Sintra como meio de integração da comunidade e como a afirmação do sentimento de pertença a uma federação de culturas. E também se apresenta como um meio poderoso para a partilha e o alargamento dos valores humanistas, tão importantes nesta altura das nossas vidas.

O Festival de Sintra irá assim contribuir novamente para a aproximação cultural do País aos padrões europeus de Cultura, numa abordagem programática que evocará em 2021 a valorização da vida, a resistência da arte e a comunhão entre o espírito e o Património em Sintra, 25 anos após a sua inscrição como Património da Humanidade pela UNESCO. 

Porque a Música, o Bailado e as Artes de Palco restauram a comunicação entre as pessoas.

Porque a arte contribui para o aumento da felicidade.
 
 
Gabriela Canavilhas,

Diretora Artística do Festival de Sintra