Carta Branca a ADRIANO JORDÃO | Festival de Sintra
Carta Branca a ADRIANO JORDÃO, Festival de Sintra, Sintra, Adriano Jordão, piano, Orquestra Clássica do Centro, Maestro José Eduardo Gomes,Sofia Escobar, soprano, Nelson Ebo, tenor, Orquestra Clássica do Centro
17303
page-template,page-template-full_width,page-template-full_width-php,page,page-id-17303,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-9.1.3,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive

Carta Branca a ADRIANO JORDÃO

Sofia Escobar, soprano

Nelson Ebo, tenor

Orquestra Clássica do Centro

Maestro José Eduardo Gomes

Musicais da Broadway

Sofia Escobar

Sofia Escobar é natural de Guimarães. Concluiu o curso de canto do Conservatório do Porto, tendo posteriormente viajado para Londres para estudar canto e representação na Guildhall School of Music and Drama.

Participou em espetáculos de teatro musical no Teatro Rivoli, no Porto, e no Teatro Nacional de São Carlos, em Lisboa. Já em Londres, foi selecionada para representar a personagem principal, Christine Daaé, em O Fantasma da Ópera, de Andrew Lloyd Webber.

Interpretou também o papel de Maria na produção comemorativa do 50.º Aniversário de West Side Story, de Leonard Bernstein, no West End de Londres, seguindo-se digressões no Reino Unido, em França, em Itália e na Malásia.

Muito elogiada pela crítica londrina, Sofia Escobar recebeu o prémio para Melhor Atriz num Musical nos Whatsonstage Theatregoer’s Choice Awards e foi nomeada na mesma categoria para os prémios Laurence Olivier pela sua atuação em West Side Story.

Em 2016 integrou o elenco de Eusébio, Um Hino ao Futebol, no Coliseu de Lisboa. Atualmente divide a sua vida entre Londres, Madrid e Lisboa.

Nelson Ebo

Nelson Ebo nasceu em Angola em 1984, durante a Guerra civil. Desde a infância lutou e sofreu com a guerra e a doença que lhe destroçaram a família.

Graças à sua veia artística e à sua voz de tenor, conseguiu encontrar inspiração e apoio para superar as circunstâncias do início da sua vida.

Aos 14 anos começou a cantar em coros e em 2001 foi convidado a cantar num concurso organizado pelas Nações Unidas e pelo Ministério da Justiça angolano.

Impressionado com o seu talento, a Agência Espanhola para a Cooperação apoiou os seus estudos musicais em Espanha, onde teve a honra de cantar para o Rei e ser ouvido por Plácido Domingo.

Em 2008 mudou-se para os Estados Unidos da América com uma bolsa de estudos, onde estudou na Hartt School of Music com Wayne Rivera. Em 2011 foi aceite com “artista residente” na Academy of Vocal Arts de Filadélfia onde estudou com Bill Schuman. Nelson Ebo foi galardoado pela Gerda Lissner Foundation, pela Giulio Gari Foundation e pela Opera North.

Tem-se apresentado em concertos nos Estados Unidos, Europa, e Angola. Em 2011, Marcello Giordani, o reconhecido tenor, convidou-o para cantar com ele em Nova Jérsia e na Sicília.

Com o apoio da primeira-dama de Angola, Nelson Ebo tem realizado numerosos concertos em Angola e Portugal. A história da sua vida tem sido objeto de documentários nos media.

De 2013 a 2015, Nelson Ebo continua os seus estudos na Itália e na Alemanha. Apresentou-se como Cavaradossi na Tosca, Pollione na Norma, e no Cavaleiro principal Antonius Bloc, uma ópera contemporânea, The Seventh Seal em 2016. Em 2017 estreou-se como Pinkerton na Madame Butterfly e como solista no Requiem de Verdi.

Orquestra Clássica do Centro

A Orquestra Clássica do Centro conta em 2018 com 17 anos de atividade ininterrupta.

Fomentar a cultura musical, dimensionar a vertente pedagógica e conferir apetência para ouvir e apreciar música erudita, continuam a ser os objetivos deste projeto.

Enquanto associação, a Orquestra Clássica do Centro tem a responsabilidade de gestão cultural do Pavilhão Centro de Portugal em Coimbra (local da sede da Orquestra). Esta associação está abrangida pela Lei do Mecenato Cultural (atual Estatuto dos Benefícios Fiscais).

A associação realiza concertos com a orquestra na sua formação clássica, mas também com dimensão sinfónica além de duos, trios, quartetos, quintetos ou outras formações de câmara. Para além dos concertos que constituem naturalmente a nossa atividade principal, organiza concursos, conferências, prémios, edições, workshops, masterclasses ou festivais (entre muitas outras atividades).

Alguns destaques da sua atividade mais recente: em 2014, deslocou-se a Cabo Verde, a convite do Ministro da Cultura de Cabo Verde Mário Lúcio de Sousa que declarou a Orquestra, além de “fundadora da Orquestra Nacional de Cabo Verde”, como sendo parte integrante desta, tendo estado presente em 2016 na cerimónia de inauguração do Museu do Tarrafal. Destaca as “pontes” construídas com Alemanha, Itália, Guiné, Noruega ou Brasil.

Em 2017 participou nas cerimónias dos dias 12 e 13 de maio de 2017 no Santuário de Fátima, aquando da visita do Papa Francisco, nos concertos nos Coliseus de Lisboa e Porto com Jorge Palma e direção de Rui Massena, no encerramento do EUROSAX, Porto, na Casa da Música em Festivais como o Internacional de piano de Portimão, o Festival das Artes ou o Festival de Sintra.

As atividades pedagógicas marcam também a sua atividade anual (desenvolvida com escolas e Instituições Particulares de Solidariedade Social), além da criação de prémios como o “ Prémio anual de composição Francisco Martins” e a edição regular de CD´s e livros. A Orquestra Clássica do Centro conta com o apoio Institucional da Câmara Municipal de Coimbra e o apoio da Dgartes.

Tem protocolos assinados com várias Câmaras Municipais, Escolas de Música e outras Instituições como sejam a Universidade de Coimbra, o IPC, o ISCAC, ESART. Tem como media partners o Diário As Beiras, Diário de Coimbra, Noticias de Coimbra, RTP e Antena 1 e tem como Mecenas principal a EFAPEL. Conta com o apoio pontual de empresas como a ASCENDUM, PLURAL ou Bluepharma. Em fevereiro de 2016, além da sua direção artística geral, apresentou a direção artística estratégica de que fazem parte nomes como Vasco Martins, Luís Tinoco, Mário Alves, Marina Pacheco ou Andrew Swinnertoon. Tem como maestro titular José Eduardo Gomes.