Boris Berezovsky | Festival de Sintra
Boris Berezovsky, Festival de Sintra, Sintra, Balakirev, Liadov, Rachamninov, Scriabine, Stravinsky
17312
page-template,page-template-full_width,page-template-full_width-php,page,page-id-17312,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-9.1.3,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive

Para a prestigiada revista Gramaphone Boris Berezovski “é o verdadeiro sucessor do grande pianismo do passado”. É considerado o “Titan do piano”, um pouco por todo o mundo.
Simultaneamente um virtuoso prodigioso e um poeta erudito, Boris Berezovky corporiza o carácter emotivo do Piano Russo, que será o centro do programa em Sintra, representando por inteiro a mais exigente e deslumbrante escola pianística do nosso tempo.
“É um programa russo, basicamente”, disse ele, com uma gargalhada. “diria 500% russo, tocado por um pianista russo”.
Um concerto superlativo e inesquecível espera-nos em Sintra.

Para a prestigiada revista Gramaphone Boris Berezovski “é o verdadeiro sucessor do grande pianismo do passado”. É considerado o “Titan do piano”, um pouco por todo o mundo.
Simultaneamente um virtuoso prodigioso e um poeta erudito, Boris Berezovky corporiza o carácter emotivo do Piano Russo, que será o centro do programa em Sintra, representando por inteiro a mais exigente e deslumbrante escola pianística do nosso tempo.
“É um programa russo, basicamente”, disse ele, com uma gargalhada. “diria 500% russo, tocado por um pianista russo”.
Um concerto superlativo e inesquecível espera-nos em Sintra.

Boris Berezovsky | PIANO

Balakirev
Mazurcas, Scherzos, Noturno nº 1 e Islamey op.18

Liadov
Prelúdios e Barcarola

Rachmaninov
5 Prelúdios op. 32

Scriabine
Estudos op. 42 e op. 65 e Sonata nº 5 op. 53

Stravinsky
Trois mouvements de Petrouchka

Boris Berezovsky

Boris Berezovsky é amplamente reconhecido como um pianista virtuoso e músico dotado de uma visão singular e grande sensibilidade. Nascido em Moscovo, estudou no conservatório da sua cidade com Eliso Virsaladze e teve aulas particulares com Alexander Satz. Depois da estreia no Wigmore Hall (Londres), em 1988, ganhou a Medalha de Ouro do Concurso Internacional Tchaikovski de Moscovo, em 1990.

Boris Berezovsky é convidado regularmente para tocar com as orquestras mais prestigiadas internacionalmente, incluindo a Filarmónicas de Berlim, Nacional Húngara, Nova Iorque, Munique, Roterdão e Hong Kong, Orquestra do Teatro Mariinski, Staatskapelle Dresden, Philharmonia Orchestra (Londres), Orquestra da Academia de Santa Cecília (Roma), Sinfónica NHK, Orquestra de Paris, Orquestra Nacional Russa, Orquestra Nacional Francesa, Sinfónica de Montréal, Orquestra da Suisse Romande, Sinfónicas da BBC e de Birmingham, entre outras.

É frequentemente convidado para se apresentar nos ciclos de piano mais prestigiados – Philharmonie de Berlim, Concertgebouw de Amesterdão, Théâtre des Champs-Elysées e Salle Pleyel (Paris), Royal Festival Hall (Londres), Palais des Beaux Arts (Bruxelas), Konzerthaus de Viena, Megaron (Atenas) – e em festivais como os de Verbier, Salzburgo e Roque d’Anthéron.

No âmbito da música de câmara toca com Vadim Repin e o Quarteto Borodin. Em 2004, o DVD com as Peças para piano, violino e violoncelo e o Trio “À memória de um grande artista” de Tchaikovski, gravados por Berezovsky, Dmitri Makhtin e Alexander Kniazev, foi premiado com um Diapason d’Or. O concerto foi transmitido nos canais de televisão ARTE e NHK (Japão). No mesmo ano, Berezovsky, Kniazev e Makhtin gravaram o Trio n.º 2 de Chostakovitch e o Trio Elégiaque n.º 2 de Rachmaninoff, conquistando os prémios Choc de la Musique (França), Gramophone (Inglaterra) e Echo Klassik (Alemanha).

Para a Teldec, Boris Berezovsky gravou obras de Chopin, Schumann, Rachmaninoff, Mussorgski, Balakirev, Medtner, Ravel e a integral dos Estudos de Execução Transcendente de Liszt. O CD com as Sonatas de Rachmaninoff foi premiado com o Preis der Deutschen Schallplattenkritik, e o disco de Ravel foi recomendado pelas publicações Monde de la Musique, Diapason, BBC Music Magazine e Sunday Independent. Ganhou um prémio da BBC Music Magazine na categoria de Melhor Instrumentista. As gravações ao vivo de Chopin/Godowsky foram aclamadas internacionalmente.

Para a editora Mirare gravou os Prelúdios e a integral dos Concertos para piano de Rachmaninoff com a Filarmónica de Ural e direção musical de Dmitri Liss. Com Brigitte Engerer gravou um disco para dois pianos dedicado a Rachmaninoff, que recebeu inúmeros prémios. Lançou um álbum dedicado a obras de Liszt, gravado ao vivo no Royal Festival Hall e em La Grange de Meslay (Tours). A gravação do Carnaval dos Animais de Saint-Säens com Brigitte Engerer e Henri Demarquette recebem o Choc de la Musique do Ano 2010.

A sua agenda atual inclui concertos com a Filarmónica do Qatar em Roma e Doha (dir. Dmitri Kitajenko), Sinfónica de Montréal (dir. Oleg Caetani), Filarmónica de São Petersburgo (dir. Yuri Temirkanov), Orquestra do Teatro Mariinski (dir. Valery Gergiev), Sinfónica da Rádio Dinamarquesa (dir. Yuri Temirkanov), Philharmonia Orchestra (dir. Vladimir Ashkenazy), Sinfónica de Tatarstan (dir. Alexander Sladkovsky) e Orquestra de Lille (dir. Jean-Claude Casadesus). Apresenta-se em recital no Théâtre des Champs-Elysées, Taipei National Concert Hall e Conservatório Tchaikovski (Moscovo).

Desde 2013, é diretor artístico do Festival Pianoscope (Beauvais).