Marouan Benabdallah | Festival de Sintra
Marouan Benabdallah, Festival de Sintra, Sintra, Palácio Nacional da Pena, artistas, música clássica, concerto, piano, pianista, Arabesque
16406
page-template,page-template-full_width,page-template-full_width-php,page,page-id-16406,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-9.1.3,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive

26 de maio - 21h30
PALÁCIO NACIONAL DA PENA

ARABESQUE

MAROUAN
BENABDALLAH

MAROUAN BENABDALLAH

ARABESQUE

O aclamado pianista Marouan Benabdallah, com apenas trinta e dois anos, é indiscutivelmente o principal representante do seu país de origem, Marrocos, nos palcos internacionais. Com um património musical firmemente enraizado na tradição húngara, Marouan Benabdallah recebeu a sua formação musical no Conservatório Béla Bartók e na Academia Franz Liszt em Budapeste, Hungria.
Arabesque. A música árabe no piano.

Ver & Ouvir

MAROUAN BENABDALLAH

Piano

O aclamado pianista Marouan Benabdallah, com apenas trinta e dois anos, é indiscutivelmente o principal representante do seu país de origem, Marrocos, nos palcos internacionais. Com um património musical firmemente enraizado na tradição húngara, Marouan Benabdallah recebeu a sua formação musical no Conservatório Béla Bartók e na Academia Franz Liszt em Budapeste, Hungria.

Após lhe ter sido atribuído o Primeiro Prémio em praticamente todos os concursos de renome no seu país natal antes de atingir os 13 anos, Marouan Benabdallah começou a atrair atenção internacional em 2003 após as suas vitórias no Concurso de Piano da Rádio Húngara, no Grand Prix de Andorra e no Concurso Internacional de Piano de Nápoles. Os seus êxitos levaram-no a atuar na Alemanha, Áustria, China, Espanha, Reino Unido, França e Itália, entre outros países. Mais recentemente, Marouan Benabdallah foi galardoado no Arthur Rubinstein Master Competition em Tel-Aviv, Israel, onde a comunicação social local apelidou a sua interpretação de “milagrosa” (Maariv).

O “deslumbrante virtuosismo natural” (Nice-Matin), “estilo delicado” (Cleveland Plain Dealer), “convincente sentido de ímpeto ” (Washington Post), “interpretação pianística engenhosa, instintos líricos e ponderação” (New York Times), de Marouan Benabdallah levaram-no a tocar como solista em inúmeras orquestras na Europa, Ásia, África e América entre as quais a Orquestra Sinfónica de Budapeste, Orquestra Sinfónica de Beijing, Orquestra Sinfónica de Cannes, Orquestra Sinfónica da Rádio Húngara, Orquestra Filarmónica de Arad, Orquestra Sinfónica da Índia, Orquestra Filarmónica de Veneza, Orquestra Filarmónica de Bolonha (Itália), Orquestra Filarmónica de Buenos Aires e a McGill Chamber Orchestra. Já tocou em salas como o Salão Nobre da Academia de Música Franz Liszt em Budapeste, a Salle Cortot em Paris, a Laeiszhalle em Hamburgo, a Sala de Concertos da Cidade Proibida em Beijing, o Oriental Art Centre em Xangai, o Teatro Communale di Bologna,o Teatro Colon em Buenos Aires, a Ópera do Cairo e a Place des Arts em Montreal.

Fez a sua aclamada estreia nos Estados Unidos em maio de 2011 na Carnegie (Zankel) Hall, interpretou o Concerto para Piano nº3 de Prokofiev sob direção do Maestro Lorin Maazel no concerto de encerramento do Castleton Festival (VA) de 2011 e tocou pela primeira vez no Kennedy Center em Washington DC em novembro do mesmo ano.