Mário Laginha e Pedro Burmester | Festival de Sintra
Mário Laginha, Pedro Burmester, Festival de Sintra, Sintra, Centro Cultural Olga Cadaval, artistas, música clássica, concerto, piano, pianista, Dois Pianos
16397
page-template,page-template-full_width,page-template-full_width-php,page,page-id-16397,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-9.1.3,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive

14 de maio - 21h30
CENTRO CULTURAL OLGA CADAVAL

DOIS PIANOS

MÁRIO LAGINHA E
PEDRO BURMESTER

MÁRIO LAGINHA E
PEDRO BURMESTER

DOIS PIANOS

Pedro Burmester é uma referência no pianismo clássico em Portugal.
Mário Laginha é habitualmente conotado com o jazz.
Dois pianos e uma viagem da Cuba de Copland à Lisboa de Esteves da Silva, do Brasil de Pixinguinha à França de Debussy e Ravel.

Ver & Ouvir

MÁRIO LAGINHA

Piano

Mário Laginha é habitualmente conotado com o jazz. Mas o universo musical que foi construindo ao longo de mais de duas décadas é bem mais abrangente, afirmando-se como um tributo às músicas que sempre o tocaram: o jazz, naturalmente, mas também os sons do Brasil, da Índia, de África, a pop e o rock, sem esquecer as bases clássicas que influenciaram o seu primeiro projeto a solo (Canções e Fugas, de 2006).

Mário Laginha tem articulado uma forte personalidade musical com uma vontade imensa de partilhar a sua arte com outros músicos. Desde logo, com Maria João, de que resultou um dos projetos mais consistentes e originais da música portuguesa. Em finais da década de oitenta iniciou uma colaboração com o pianista Pedro Burmester, dupla que seria alargada a Bernardo Sassetti em 2007 no projeto “3 pianos”. Até ao seu inesperado desaparecimento, Bernardo Sassetti foi parceiro e cúmplice de Mário Laginha em muitas dezenas de concertos e em dois discos gravados.

Mário Laginha tem escrito para formações tão diversas como as Big Band da Rádio de Hamburgo e de Frankfurt, a Filarmónica de Hannover, Orquestra Metropolitana de Lisboa, o Remix Ensemble, o Drumming Grupo de Percussão e a Orquestra Sinfónica do Porto. E tem tocado com músicos como Wolfgang Muthspiel, Trilok Gurtu, Gilberto Gil, Lenine, Ralph Towner, Manu Katché, Julian Argüelles, Howard Johnson ou Django Bates. Compõe também para cinema e teatro.

A obra mais recente do trio partilhado com Bernardo Moreira e Alexandre Frazão é “Mongrel”, a partir de originais de Chopin, e “Iridescente” é a sua última aventura musical com Maria João. Colabora desde 2012 com o pianista brasileiro André Mehmari, tendo sido editado um disco em duo, com música original de ambos. Em finais de 2013, Mário Laginha e o seu Novo Trio com o guitarrista Miguel Amaral e o contrabaixista Bernardo Moreira lançaram o inovador “Terra Seca”.

PEDRO BURMESTER

Piano

Pedro Burmester nasceu no Porto. Foi durante dez anos aluno de Helena Costa, tendo terminado o Curso Superior de Piano do Conservatório do Porto com 20 valores em 1981. Posteriormente, deslocou-se aos Estados Unidos onde trabalhou entre 1983 e 1987 com Sequeira Costa, Leon Fleisher e Dmitry Paperno. Paralelamente, frequentou diversas masterclasses com pianistas como Karl Engel, Vladimir Ashkenazi, T. Nocolaieva e E. Leonskaja.

Ainda muito novo, foi premiado em diversos concursos, destacando-se o prémio Moreira de Sá, o 2º prémio Vianna da Motta e o prémio especial do júri no Concurso Van Cliburn nos Estados Unidos.

Iniciou a sua atividade concertística aos 10 anos de idade e, desde então, já realizou mais de 1000 concertos a solo, com orquestra e em diversas formações de música de câmara, em Portugal e no estrangeiro. Participou em todos os festivais de música portugueses. No estrangeiro são de realçar apresentações em La Roque d’ Anthéron, na Salle Gaveau, no Festival de Flanders, na Frick Collection e 92nd Y em Nova Iorque, na Filarmonia de Colónia, na Gewandhaus de Leipzig, na casa Beethoven em Bona e no Concertgebouw em Amesterdão.

São de destacar colaborações com os maestros Manuel Ivo Cruz, Miguel Graça Moura, Álvaro Cassuto, Omri Hadari, Gabriel Chmura, Muhai Tang, Lothar Zagrosek, Michael Zilm, Frans Brüggen e Georg Solti.

Dedicou-se também à música de câmara. Mantém há alguns anos um duo com o pianista Mário Laginha e atuou com os violinistas Gerardo Ribeiro e Thomas Zehetmair, com os violoncelistas Anner Bylsma e Paulo Gaio Lima e com o clarinetista António Saiote. Formou um grupo de pianos e percussões que tem atuado com grande sucesso em diversos festivais e concertos em Portugal.

Em 1997/98 Pedro Burmester atuou em França, na Alemanha, Bélgica, Holanda, no Brasil, Estados Unidos, África do Sul, Canadá e Austrália, onde realizou uma tournée com a prestigiada Australian Chamber Orchestra.

Já gravou uma dezena de CDs. A sua discografia inclui três CD a solo com obras de Bach, Schumann e Schubert, um em duo com Mário Laginha e três gravações com a Orquestra Metropolitana de Lisboa. Em 1998 foi editado um CD a solo com obras de Chopin. Em 1999 gravou as dez sonatas para violino e piano de Beethoven com o violinista Gerardo Ribeiro.

Em 2007, juntamente com Bernardo Sassetti e Mário Laginha editou o CD e DVD “3 Pianos”, gravado ao vivo no Centro Cultural de Belém.

Em 2010 grava e edita a Sonata em Lá Maior, D959 de Franz Schubert e os Estudos Sinfónicos op. 13 de Robert Schumann.

Em Dezembro de 2013 dá um concerto pela primeira vez na Casa da Música, recital que foi gravado ao vivo e editado em Janeiro de 2015.

Foi Diretor Artístico e de Educação na Casa da Música, projeto que ajudou a criar e a implementar.

Atualmente, para além da sua atividade artística, é professor na Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo (ESMAE) no Porto.