Mário Laginha e Orquestra Escolar de Sintra | Festival de Sintra
Olga Prats, Festival de Sintra, Sintra, Palácio Nacional de Queluz, artistas, música clássica, concerto, piano, pianista, fado, tango, Fados e Tangos
16989
page-template,page-template-full_width,page-template-full_width-php,page,page-id-16989,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-9.1.3,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive

13 de maio de 2017- 21h30

MÁRIO LAGINHA
C/ ORQUESTRAS ESCOLARES DE SINTRA

CENTRO CULTURAL OLGA CADAVAL

Mário Laginha
com Orquestras Escolares de Sintra

Mário Laginha articula a sua carreira sempre com a partilha de experiências com outros músicos e outros caminhos artísticos.
Junta-se agora às Orquestras Escolares de Sintra para nos trazer a sua visão da música portuguesa, baseado na pesquisa de Michel Giacometti e Fernando Lopes Graça e do seu monumental Arquivo da Música Tradicional Portuguesa.
Tratam-se de arranjos que tem apresentado um pouco por todo o mundo e que proporcionará um momento único aos jovens que, na tão apaixonante experiência das Orquestras Escolares de Sintra, levam a Música às escolas da rede pública do concelho de Sintra e agora se apresentam no Festival de Música.

Ver & Ouvir

MÁRIO LAGINHA

É habitualmente conotado com o jazz. Mas o universo musical que foi construindo ao longo de mais de duas décadas é bem mais abrangente, afirmando-se como um tributo às músicas que sempre o tocaram: o jazz, mas também os sons do Brasil, da Índia, de África, a pop e o rock, sem esquecer as bases clássicas que influenciaram o seu primeiro projecto a solo (Canções e Fugas, de 2006).

Articula uma forte personalidade musical com uma vontade imensa de partilhar a sua arte com outros músicos. Com Maria João, de que resultou um dos projectos mais consistentes e originais. Em finais da década de oitenta iniciou uma colaboração com o Pedro Burmester, dupla que seria alargada a Bernardo Sassetti em 2007 no projecto “3 pianos”.

Tem escrito para formações muito diversas e tocado com músicos como Wolfgang Muthspiel, Trilok Gurtu, Gilberto Gil, Lenine, Ralph Towner, Manu Katché, Julian Argüelles, Howard Johnson ou Django Bates. Compõe também para cinema e teatro.

A obra mais recente do trio partilhado com Bernardo Moreira e Alexandre Frazão é “Mongrel”, a partir de originais de Chopin, e “Iridescente” com Maria João. Colabora desde 2012 com o pianista André Mehmari, tendo editado um disco em duo, com música original. Em finais de 2013, Mário Laginha e o seu Novo Trio com o guitarrista Miguel Amaral e o contrabaixista Bernardo Moreira lançaram o inovador “Terra Seca”.