Concerto de Encerramento | Festival de Sintra
António Rosado, Orquestra do Conservatório de Música de Sintra, Humberto Castanheira, Festival de Sintra, Sintra, artistas, música clássica, concerto, piano, pianista
16525
page-template,page-template-full_width,page-template-full_width-php,page,page-id-16525,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-9.1.3,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive

29 DE MAIO - 19h00
PALÁCIO NACIONAL DE QUELUZ

CONCERTO DE ENCERRAMENTO

ANTÓNIO ROSADO

ORQUESTRA DO CONSERVÁTORIO
DE MÚSICA DE SINTRA


HUMBERTO CASTANHEIRA

CORO LEAL DA CÂMARA

ANTÓNIO ROSADO
ORQUESTRA DO CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DE SINTRA
HUMBERTO CASTANHEIRA
CORO LEAL DA CÂMARA

CONCERTO DE ENCERRAMENTO

De António Rosado, disse a revista francesa Diapason que é um “intérprete que domina o que faz”. Tem tanto de emoção e de poesia, como de cor e de bom gosto.
A Orquestra de Câmara do Conservatório de Música de Sintra é um dos ensembles de alunos e professores mais antigos do Conservatório, integrando elementos que já não são alunos, mas quiseram continuar a participar no grupo.
O Coro Leal da Câmara foi fundado em 1993 na Escola de Música Leal da Câmara – atual Conservatório de Música de Sintra – pelo maestro Humberto Castanheira, também o titular da Orquestra e professor do Conservatório de Música de Sintra.
Um dos maiores representantes do pianismo português e a presença das mais importantes instituições musicais de Sintra.

Ver & Ouvir

ANTÓNIO ROSADO

Piano

Dele disse a revista francesa Diapason que é um “intérprete que domina o que faz. Tem tanto de emoção e de poesia, como de cor e de bom gosto.”
António Rosado tem uma carreira reconhecida nacional e internacionalmente, corolário do seu talento e do gosto pela diversidade, expressos num extenso repertório pianístico que integra obras de compositores tão diferentes como Georges Gershwin, Aaron Copland, Albéniz ou Liszt. Esta versatilidade permitiu-lhe apresentar, pela primeira vez em Portugal, destacadas obras como as Sonatas de Enescu ou paráfrases de Liszt, sendo o primeiro pianista português a realizar as integrais dos Prelúdios e também dos Estudos de Claude Debussy. No registo dos recitais pode incluir-se também a interpretação da integral das sonatas de Mozart.
Actuou em palco, pela primeira vez, aos quatro anos de idade. Os estudos musicais iniciados com o pai tiveram continuidade no Conservatório Nacional de Música de Lisboa, onde terminou o curso Superior de Piano, com vinte valores. Aos dezasseis anos parte para Paris, e aí vem a ser discípulo de Aldo Ciccolini no Conservatório Superior de Música e nos cursos de aperfeiçoamento em Siena e Biella (Itália).

Em 1980, estreou-se em concerto com a Orchestre National de Toulouse, sob a direcção de Michel Plasson e desde essa data tem tocado com inúmeras orquestras internacionais e notáveis maestros como: Georg Alexander Albrecht, Moshe Atzmon, Franco Caracciolo, Pierre Dervaux, Arthur Fagen, Léon Fleischer, Silva Pereira, Claudio Scimone, David Stahl, Marc Tardue e Ronald Zollman.

Também na música de câmara tem actuado com prestigiados músicos como Aldo Ciccolini, Maurice Gendron, Margarita Zimermann, Gerardo Ribeiro ou Paulo Gaio Lima, com o qual apresentou a integral da obra de Beethoven para violoncelo e piano. Laureado pela Academia Internacional Maurice Ravel e pela Academia Internacional Perosi, António Rosado foi distinguido pelo Concurso Internacional Vianna da Motta e pelo Concurso Internacional Alfredo Casella de Nápoles. Estes prémios constituem o reconhecimento internacional do seu virtuosismo e o impulso para uma brilhante carreira, com a realização de recitais e concertos por todo o Mundo, e a participação em diversos festivais. Na década de 90, foi o pianista escolhido pela TF1 para a gravação e transmissão de três programas – música espanhola e portuguesa, Liszt e, por fim, um recital preenchido com Beethoven, Prokofiev, Wagner, Liszt. Desde a década de 80, participou inúmeras vezes no Festival de Macau, nomeadamente com a Orq.Gulbenkian, Orq.M.L., Orq.N. da China – no concerto inaugural do Centro Cultural de Macau – Orq. Xangai, Orq. de Câmara de Macau e ainda com o clarinetista António Saiote. Em 2007 foi distinguido pelo Governo Francês com o grau de Chevalier des Arts et des Lettres.

De algumas integrais, destacam-se a apresentação das sonatas de Mozart e, já em 2012, das 32 sonatas de Beethoven.
O seu primeiro disco gravado na década de 80, em Paris, é dedicado a Enescu. Outros discos se seguiram, nomeadamente: as obras para piano de Vianna da Motta; um cd comemorativo dos 150 anos da passagem de Liszt por Lisboa; a Fantasia de Schumann e a Sonata de Liszt. Com o violinista Gerardo Ribeiro gravou as Sonatas para piano e violino de Brahms e com o pianista Artur Pizarro, um disco intitulado Mozart in Norway. Com a NDR Sinfonieorchestra de Hamburgo, gravou o Concerto no 2 e Rapsódia sobre um tema de Paganini de Rachmaninov . Recentemente, gravou os dois Concertos de Brahms com a Orquestra Nacional do Porto. Em 2004 gravou a integral das Sonatas para piano de Fernando Lopes-Graça, em 2006 as oito suites “In Memoriam Bela Bartók” do mesmo compositor, mais recentemente os Prelúdios de Armando José Fernandes e Luís de Freitas Branco e, em 2012, a integral das Músicas Festivas de Fernando Lopes-Graça.

ORQUESTRA DO CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DE SINTRA

A Orquestra de Câmara do Conservatório de Música de Sintra é um dos ensembles de alunos e professores mais antigos do Conservatório, integrando elementos que já não são alunos, mas quiseram continuar a participar no grupo. Sob a direção dos professores Paula Pestana, Pedro Teixeira e Luís Estêvão da Silva, a Orquestra é constituída por cerca de 30 alunos e trabalha um repertório diversificado, com especial atenção para obras de compositores portugueses. Ao longo dos anos, a Orquestra de Câmara do Conservatório tem colaborado frequentemente com o Coro Leal da Câmara na interpretação de diversas obras de Mozart e Schubert, bem como atuado em vários espaços com destaque para a Igreja de São Martinho (Sintra), Centro Cultural Olga Cadaval, Centro Ciência Viva de Sintra, Igreja do Santíssimo Redentor (Damaia), Basílica do Palácio Nacional de Mafra, Mosteiro dos Jerónimos, Palácio Foz e Museu da Cidade, em Lisboa. Anualmente, os membros da Orquestra participam num estágio intensivo, onde ao longo de 4 dias preparam um programa específico para apresentarem ao público.

HUMBERTO CASTANHEIRA

Humberto Castanheira iniciou os seus estudos musicais na Escola de Música Leal da Câmara (atualmente Conservatório de Música de Sintra), em Rio de Mouro, prosseguindo os seus estudos na Academia de Amadores de Música, onde viria a concluir o curso de Guitarra clássica na classe do professor Paulo Valente Pereira. Durante o período compreendido entre 1984 e 1989, ano em que finalizou o curso, foi bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian e 3º classificado do Prémio Jovens Músicos (1988). Frequentou igualmente o Instituto Gregoriano de Lisboa onde concluiu as disciplinas de Contraponto e Técnicas de Composição do Século XX na classe do professor Christopher Bochmann.

Concluiu na Escola Superior de Música de Lisboa o Bacharelato em Composição no ano letivo de 1990/91, a licenciatura em Direção Coral no ano letivo 1999/2000, e a profissionalização em 2003/2004.

Frequentou diversos cursos, dos quais se destacam o 11º curso de Verão para jovens compositores na Polónia sob a orientação de Krzysztof Penderecki, Marco Stroppa, e Magnus Lindberg. O II, IV, e V Cursos internacionais de Direção Coral de Sines. A disciplina de direção coral ministrada na Academia de Amadores de Música pelos maestros José Robert e Edgar Saramago, e o curso de Direção de Orquestra da Academia Superior de Orquestra.

Na área da pedagogia musical frequentou diversos cursos e seminários de onde se destacam, o Curso para Monitores de Iniciação Musical da Fundação Calouste Gulbenkian, orientado pela professora Ana Maria Ferrão, o Curso de Pedagogia Musical do professor Pierre Van Hauwe, e o seminário de Formação Musical ministrado pelo professor Jean-Michel Ferran.

Como maestro Humberto Castanheira tem dirigido diversas obras para Coro e Orquestra, estreou duas Óperas do Compositor Carlos Marecos apoiadas pelo Instituto das Artes, e dirige atualmente o Coro da Companhia de Seguros “Tranquilidade”, o Coro Leal da Câmara e o Coro D. Dinis.
Como docente Humberto Castanheira exerce funções no Conservatório de Música de Sintra, no Conservatório de Música D. Dinis e na Academia de Amadores de Música.

CORO LEAL DA CÂMARA

O Coro Leal da Câmara foi fundado em 1993 na Escola de Música Leal da Câmara – atual Conservatório de Música de Sintra – pelo maestro Humberto Castanheira. O seu repertório inclui música coral de vários estilos e épocas desde o renascimento ao século XX.

Ao longo destes anos, o Coro Leal da Câmara teve a oportunidade de realizar concertos um pouco por todo o país a convite das mais variadas entidades. Relembrem-se locais como a Quinta da Regaleira, Centro Cultural Olga de Cadaval, Palácio Nacional de Queluz; Museu Condes Castro de Guimarães, Centro Cultural de Cascais, Centro Cultural de Belém, Mosteiro dos Jerónimos, entre muitos outros.

Concluiu na Escola Superior de Música de Lisboa o Bacharelato em Composição no ano letivo de 1990/91, a licenciatura em Direção Coral no ano letivo 1999/2000, e a profissionalização em 2003/2004.

Com um trabalho regular e uma formação de jovens estudantes e antigos alunos do Conservatório de Música de Sintra, o Coro Leal da Câmara tem sido convidado a participar em diversos eventos e festivais nacionais e internacionais. Destacam-se atuações em Madrid (1997), a convite do Coral S. Juan de Dios; Budapeste, no 2º Festival Coral Internacional de Natal e Advento (2002); em Veneza, no 3.º Festival Coral Internacional Venezia in Musica (2005); em Bergen (Noruega), no II Festival Coral Internacional Grieg (2007);

Tem igualmente colaborado com diversos grupos, de diferentes formações, designadamente com a Orquestra Metropolitana de Lisboa, Coro de Câmara e Orquestra da Escola de Música da Academia de Amadores de Música em Lisboa; Orquestra de Câmara de Sintra, Orquestra de Câmara do Conservatório de Música de Sintra, entre outros. No âmbito da comemoração do seu 10º aniversário editou um CD com repertório de Natal em Novembro de 2003.
Em 2006 merece especial relevo o concerto realizado em conjunto com a Orquestra de Câmara de Sintra integrado nas comemorações da elevação de Sintra a património mundial, e dedicado a W. A. Mozart.

Em 2008 e 2009 participou no 1.º e 2.º Festival Internacional de Coros de Sintra, organizado pelo Conservatório de Sintra, tendo realizado diversos concertos no âmbito do Festival.
Em 2013 destaca-se a participação em dois eventos de angariação de fundos promovidos pelo Conservatório de Música de Sintra: um espetáculo com a fadista Mafalda Arnauth e a interpretação da obra Carmina Burana, juntamente com a Banda de Música da Força Aérea, Coro Sinfónico Lisboa Cantat e Coro da Universidade Técnica de Lisboa.

Em Julho de 2014, o Coro Leal da Câmara foi o grande vencedor da 3ª edição da Competição Coral Internacional de Freamunde, que contou com a participação de 13 grupos oriundos da Polónia, Lituânia, Venezuela e Portugal. O CLC obteve o 3.º lugar na competição folk, 2.º lugar na música sacra, tendo acabado por vencer na final o prémio Coro dos Coros. Também o maestro Humberto Castanheira conquistou o galardão de Maestro dos Maestros.