Amarcord Wien | Festival de Sintra
Olga Prats, Festival de Sintra, Sintra, Palácio Nacional de Queluz, artistas, música clássica, concerto, piano, pianista, fado, tango, Fados e Tangos
17001
page-template,page-template-full_width,page-template-full_width-php,page,page-id-17001,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-9.1.3,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive

19 de maio de 2017- 21h30

AMARCORD WIEN

PALÁCIO NACIONAL DE SINTRA

Amarcord Wien

Violino, violoncelo, contrabaixo e acordeão, é este o invulgar agrupamento que constitui o Amarcord Wien.
E invulgar também é a sua busca permanente de novos caminhos, a partir do mais puro classicismo vienense.
Se nos apresenta as bem europeias obras de Debussy ou de Eric Satie, também leva até nós a América do Sul de Piazzolla e António Carlos Jobim e os tangos de Carlos Gardel e o original “Tristans Tango”, numa criação do seu líder, Sebastian Gürtler.
E, claro, Viena estará presente nas operetas de Johann Strauss e Franz Léhar.
Será certamente uma extraordinária abertura de um inesquecível fim de semana que nos traz a Áustria até Sintra!

Ver & Ouvir

Amarcord Wien

Sebastian Gürtler – violino
Michael Williams – violoncelo
Gustavo D’Ippolto – contrabaixo
Tommaso Huber – acordeão

“Se tivéssemos de descrever a música e as suas miríades possibilidades, teríamos uma resposta breve: Amarcord Wien” – foi uma afirmação categórica de um reconhecido crítico musical austríaco após assistir a um concerto na Bruchnerhaus, em Linz. O maestro Franz Welser Möst escreveu: “Discute-se tanto as novas direções que a música deverá tomar e aqui está um ótimo exemplo, mostrando que a imaginação não tem limites. Partindo de um passado com raízes clássicas, estes artistas de primeira categoria encontram caminhos nunca antes trilhados.”

É difícil classificar Amarcord Wien. Apesar de profundamente enraizados na tradição clássica, a abordagem dos músicos à música evoluiu para além dessas fronteiras. O princípio base é de criar arranjos que procurem constantemente novas maneiras de interpretar, compreender e comunicar a música, independentemente de tradições, sem temer o afastamento do manuscrito original, até se transformar em “Amarcord”. Ou seja, a experiência musical não-adulterada tem prioridade sobre a obediência à partitura, combinando-se com o típico som Amarcord, transparente, incorrigivelmente brincalhão, esporadicamente improvisado, e tudo isto com uma perfeição técnica sem paralelo. Fundado em 2000, o grupo alcançou uma reputação que é celebrada por públicos em todo o mundo.